Super Players
Olá!!!

No momento, o forum esta inativo. Mas estarei respondendo as perguntas sobre duvidas dos jogos e de qualquer outro tema no forum www.forum-vp.com

É um forum que é especializado em jogos da Plataforma do Xbox360, PlayStation3 e do PlayStation 2, alem de outros temas diversos.

Estarei a sua espera por lá.
Obrigado.

The Racer


http://superplayers.forumbom.com/h2-forumeiros
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
<
 

 Prototype (Análise)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
The Racer

AdministradorAdministrador


Mensagens : 807
Pontos de Respeito : 11921
Data de inscrição : 29/08/2010
Idade : 30

Ver perfil do usuário
MensagemAssunto: Prototype (Análise) Sex 10 Set 2010, 12:38 am

Prototype





Desenvolvedor: Radical Ent.
Distribuidor: Activision & Sierra
Lançamento: 9/06/2009
Jogadores: 1
Suporte on-line: Não


Nos últimos anos, o estilo de jogos vem mudando. E o estilo que mais vem agradando são aqueles que são de mundo aberto, aqueles jogos que você não fica preso somente nas missões a cumprir. Um dos causadores para esse tipo de jogo se deve ao GTA, praticamente uns s dos pioneiros para o mundo aberto.



Mas com o tempo, tem que haver inovações nesse tipo de jogo. E o Prototype recheou de de inovações ele para satisfazer os mais exigentes!
Logo no lançamento do jogo, era inevitável a comparação do InFamous, por os dois serem quase do mesmo jeito: Liberdade para fazer o que quizer, Super poderem, destruição, etc...

Porem, o que muda no caso entre os dois é o drama que se desenrola durante o jogo. Mas mesmo assim fica difícil escolher realmente qual dos dois que é melhor. O Infamous já mostrou ser um ótimo jogo, mas podemos esperar disso do Prototype?
Creio que sim!



História: 8.0
Você assume o personagem Alex Mercer, que antes de acordar em um necrotério, era um cidadão normal. Depois de levantar sem lembrar de nada que aconteceu para estar ali no necrotério, ele descobre depois que foi infectado por um vírus que esta arrasando a cidade. Mas ao contrario da lógica, esse vírus só favoreceu o nosso personagem Alex Mercer, que a partir de agora tem poderem, digamos assim, sobre-humanos!

Mas assim que ele sai do necrotério, ele repara que na cidade esta um caos. Os habitantes de Manhattan se tornaram praticamente selvagens para as outras pessoas que ainda vivem sem estar infectadas.
Por causa dessa situação, o governo resolveu criar la uma quarentena militar para conter o avanço do vírus para o resto do Pais!



Mas o Alex Mercer não esta nem ai para a população. Para ele, isso é indiferente, já que ele é tipo de um anti-herói no jogo. A única coisa que ele quer realmente é descobrir quem foi o responsável da sua morte, apensar de no jogo esta bem vivo.
Por causa dessa ameaça do Alex Mercer contra o governo militar, ele se torna o alvo principal do governo e dos policiais.
Tem vezes que a própria população vai estar contra você, mas nada de se preocupa, já que você poderá fazer um verdadeiro boliche de pessoas!

Mas ao contrario de InFamous, você não será julgado pelo os seus atos, você, no final das contas, sempre vai ser o vilão da história!



Jogabilidade: 9.5
A pancadaria que o jogo oferece é simplesmente de saltar os olhos! Com certeza é um dos jogos mais intensos dos últimos anos, simplesmente você não para de bater ou destruir coisas, sempre aparece algo no cenário que pode ser destruído, seja pessoas, carros, tanques, as ruas em si. Enfim, todo pode ser virado a pó quando você quiser.

Mas tem certas ocasiões que os soldados que estão na ilha pode chamar os “Stikes Teams”, uma espécie de soldados altamente treinados para aniquilar o alvo, que no caso seria você. Mas ai você poderá fazer duas escolhas: ou foge deles ou destroem todos eles. A segunda opção é mais divertida.



Mas tem partes do jogo que você vai achar estranho.
Por exemplo: para que pegar um tanque de guerra se você pode destruir literalmente tudo somente com as suas mãos?! Ou um Helicóptero para ir a algum lugar se você pode voar?!

Tem missões que infelizmente tem que fazer isso, mas o pessoal da Radical colocou assim para não cair sempre na mesma coisa, senão iria enjoar de jogar ele mais rápido do que deveria.

O legal do Prototype é que tem como se tornar qualquer pessoa. Para isso o Alex Mercer simplesmente agarra uma pessoal qualquer e, antes de matá-la, tem o poder de disfarçar como quem foi consumido por ele, adquirindo a sua memória e a aparência do coitado que foi morto por você. Assim, facilita o disfarce para poder passar sem ser percebido, como prédios e áreas restritas.

Tem certas partes do jogo que realmente terá que fazer isso, como por exemplo, entrar em uma área militar sem criar suspeitas de quem você é realmente. Mas o forte do jogo não é se infiltrar silenciosamente, porque ai o jogo realmente perde muito a graça. O legal mesmo seria entrar no local quebrando as paredes mesmo!



A I.A é relativamente boa, mas as vezes pode parecer que não há pessoas em certo lugares. Tem partes que tem que pegar alguma pessoa do lado da outra, que quando você a consome, a pessoa do lado nem percebe o que esta acontecendo.

Mas por outro lado é muito legar ver as pessoas nas ruas rezando para não ser mortas no meio do caos esta acontecendo. E os inimigos não são tão fácil assim. Eles variam bastante os ataques, e percebem certos movimentos seus do ataque, sendo assim, tem que varias bastante as seqüências dos golpes, senão fica bem mais difícil passar de certas partes.

Falando assim, fica até estranho isso, já que o Alex Mercer é tão poderoso quanto qualquer um da cidade, que, se vacilar, poderá ser morto por um carinha que usa uma “mera” pistola normal...

Os controles no começo são simples, pular, bater... mas conforme vai progredindo no jogo, vai liberando novos golpes e poderes; e ai sim começa a ficar complicado de aplicar golpes novos. Um exemplo é um movimento chamado Cannonball, que para realizar esse golpe, tem que saltar e apertar, simultaneamente, “circulo” e o “quadrado”. Se tentar fazer isso verá que não é tão simples fazer esse movimento.

Mas ainda bem que tem uma opção de travar a mira no seu oponente, mas o Problema se tiver vários adversários no mesmo cenário. Você poderá acabar mirando em quem não queria. Isso pode ajudar ou atrapalhar, depende da situação.
Então, para poder jogar ele terá que ter habilidades nos dedos, senão o jogo ficara sempre na rotina com os mesmos golpes.



Gráficos: 8.5

A cidade parece ser bem feita, mas se reparar bem vai ver que ela não é tão perfeita assim...
A iluminosidade esta bem distribuída em torno da cidade de Manhattan, mas conforme vai explorando a imensa cidade, vai ter a impressão que é a mesma coisa que esta em um outro lugar da cidade.

Isso porque a cidade não é fiel ao do mundo real, caminhando entre as ruas ficaram muito repetitivos os lugares, mas por alto os lugares ficaram mais distintos, isso se deve por causa dos inúmeros Prédios e arranha-céus existentes na cidade. Mas mesmo assim, se você for muito detalhista, verá pequenos serrilhados no jogo, um pecado por ser um jogo da plataforma PlayStation3, mas isso ai são detalhes que não influencia em nada no jogo.

Mas do alto da cidade, é possível ver muitos elementos literalmente brotarem do nada. E a visão de longe percebe que é fraca, mas nada que atrapalhe o jogo. As explosões e a movimentação dos personagens são bem feitas, pena que a câmera não ajuda muito, já que ela não acompanha muito bem a movimentação dos acontecimentos.

Mas as animações são simplesmente ótimas, dando aquele drama do jogo. Com certeza são as melhores partes do jogo, já que você fica querendo saber o que vai acontecer depois. Mas da para perceber faltou um polimento nos gráficos, dar para reparar quando se olha no rosto dos personagens, já que não tem aquele efeito de uma imagem vivida.



Sons:7.5
A musica em si, durante o jogo realmente é muito mal feita. A musica, que é muito para e sem graça nas maiorias das vezes, simplesmente não se encaixa no cenário caótico da cidade.

Mas os efeitos sonoros dos tiros, dos gritos das pessoas e dos golpes que o nosso anti-herói realiza esta bem feito, compensando assim a péssima musica do jogo. A Dublagem dos personagens também se encaixou muito bem em cada um dos personagens!



Conclusão: 8.0
Este jogo sim, vale a pena ter ele. Apensar do erros e defeitos que ele possui, é um jogo bem movimentado, e com um leque enorme de poderes que o Alex Mercer possui, pode gastar um pouquinho de tempo só passeando pela cidade... Como fazer boliche com as pessoas, ou simplesmente pegar um carro e fazer arremesso de distância com o carro!

O jogo vai compensar pelo agito das missões, que não para um minuto sequer. Só as missões extras que são sem graça, que são relativamente fáceis de completá-las. Os gráficos, apensar de terem pequenos defeitos de textura, fica em um nível aceitável.

Os produtores poderiam usar todo o poderio e inovações que o jogo oferece, mas não conseguiram. Parece que fica faltando no jogo. Mesmo assim, é um jogo divertido de dar porradas e.... somente isso!

Trailler oficial!

------------------------- © Super Players - Todos os direitos reservados -------------------------









Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Prototype (Análise)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Super Players :: PlayStation 3 :: Jogos-